Ofício Docente

A educação vem ganhando espaço no debate público. A mídia reproduz opiniões e análises de governantes, empresários, pesquisadores, artistas e jornalistas. Todos falam sobre o tema. Ou, quase todos: falta a voz dos professores nesta conversa.

Perda da autoria do saber e fazer pedagógicos; mecanismos de intimidação; não participação na formulação das políticas educacionais; desqualificação social da figura docente; e leis inconstitucionais são alguns dos elementos que explicam o silêncio dos professores na educação.


Apesar de avanços na legislação, carreira docente ainda é pouco valorizada

Atenção, abrir em uma nova janela. PDFImprimirE-mail

Qua, 22 de Dezembro de 2010 15:59

Durante os oito anos do governo Lula (2003-2010), a carreira docente conquistou avanços no plano jurídico: nesse período, foram promulgadas leis que determinam um piso salarial nacional para professores e a criação de planos de carreira em estados e municípios e foi instituída a estrutura de um sistema nacional de formação inicial. No entanto, a nova legislação não foi suficiente para uma real valorização do docente no país, de acordo com pesquisadores consultados pelo Observatório. “Ainda não saímos do papel”, avalia Heleno Araújo Filho, diretor de assuntos educacionais da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE).

 

Página 5 de 12