EJA e Educação nas Prisões

Desde 2006, o Observatório da Educação acompanha a educação no sistema penitenciário, com a produção e disseminação de informações. Esta atuação soma-se aos 14 anos de trabalhos da Ação Educativa no campo da Educação de Jovens e Adultos e contribui com a mobilização da sociedade civil em favor da universalização do direito à educação.

Sobre a 6a Conferência Internacional de Educação de Adultos (Confintea), leia aqui.


Programas de alfabetização recebem materiais de apoio do PNLA 2008

Atenção, abrir em uma nova janela. PDFImprimirE-mail

Ter, 18 de Novembro de 2008 16:33

Está prevista para outubro a distribuição dos livros didáticos para alfabetização de jovens e adultos às entidades parceiras do programa Brasil Alfabetizado. Para auxiliar na escolha do material, feita até agosto, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) disponibilizou em sua página na Internet o primeiro guia do Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos (PNLA 2008), que traz a resenha dos livros ofertados e um roteiro de como fazer o registro das obras.

O programa adota o mesmo formato dos de distribuição de livros referentes aos ensinos fundamental e médio. “Há um histórico de dez anos do Plano Nacional do Livro Didático (PNLD). Dentro dessa política pública, existe uma decisão do MEC para publicação do guia com resenhas. É pertinente para a melhoria da qualidade do material didático, mas precisamos ver se o gênero resenha ou a forma como ela é escrita de fato dialoga com o professor”, explica Clécio Bunzen, doutorando em lingüística aplicada do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp e pesquisador do livro didático.

Integrante de comissões do PNLD, Bunzen acredita que o modelo adotado não dialoga com o professorado. “O material dialoga muito mais com editores, autores e academia”, complementa.

Um ponto questionado por aqueles que trabalham com o material é o pouco tempo disponível para o estudo do guia, disponibilizado pouco antes do término do prazo de escolha das obras. “O guia chegou apenas no final de julho. Já havíamos até escolhido as obras, pois algumas editoras deixaram livros com a gente. Mas os dois escolhidos estão no guia, que tem abrangência plural”, conta Francisca Inácia de Alencar Carvalho Barros, coordenadora do MOVA Guarulhos.

Ela também é gestora e coordenadora pedagógica do programa Brasil Alfabetizado da Secretaria de Educação de Guarulhos e afirma que se o guia chegasse com antecedência, poderia ser analisado.”Já havíamos discutido sobre as obras e em março já tínhamos alguns livros. Trabalhamos com o que tinha”, ressalta.

O apontamento de que não há tempo hábil de consulta ao guia é corroborado pela experiência vivida pela alfabetizadora Ana Neves dos Santos, da Escola Mauro Roldão Neto, de Guarulhos, SP. “No início do programa escolhemos dois livros. Quando o guia chegou, no final de julho, bem atrasado, já tínhamos escolhido as obras. Como o guia só chegou agora não tenho como avaliá-lo”, afirma.

O MEC estima beneficiar com o programa Brasil Alfabetizado 1,3 milhão de estudantes de cerca e quatro mil municípios. Somente parceiros do programa receberão os títulos, que contêm em volume único as disciplinas língua portuguesa e matemática. Gestor e coordenador puderam fazer duas opções dentre 19 editoras. Caso a primeira esteja esgotada, será enviada a segunda.
 

Página 8 de 13